nav-left cat-right
cat-right

Viver mais, trabalhar menos

Passamos a maior parte da nossa vida enclausurados dentro de uma sala, recebendo ordens, trabalhando para os outros, esperando que a vida passe e o dia do pagamento chegue.

Isso tem me feito muito mal. Ao invés de viver, eu trabalho. Ao invés de me divertir, eu tenho que passar o dia inteiro dentro de uma empresa (mesmo que seja a minha, pois trabalho PARA os clientes) gastando meu tempo, minha energia e principalmente a minha paciência resolvendo problemas que não vão acrescentar em nada na minha vida, ou seja, tempo e energia jogados fora. Ao invés de estar com a minha família, estou brigando com clientes.

É óbvio que todos precisamos de dinheiro, pois necessitamos comer, nos vestir. Não sou contra o trabalho. Sou contra esperar a minha vida passar enquanto gasto maior parte do meu dia fazendo “praticamente a mesma coisa todo dia”.

Tenho alguns amigos que passam pela mesma situação. Aposto que além de nós, muitas outras pessoas também sentem. Querem fazer muito mais da vida do que simplesmente ficar trancados como um pássaro numa gaiola apenas para receber algumas migalhas, de vez em quando.

A saída para isso é trocar o nosso paradigma: ao invés de pensarmos que para ganhar dinheiro precisamos trabalhar, podemos achar outras formas de ganhar dinheiro sem que tenhamos que passar um dia inteiro para isso, ou seja, uma renda passiva. É muito fácil falar, mas difícil de pôr em prática.

Para isso, temos que expandir os nossos horizontes. Pensar em maneiras “alternativas” que obter uma renda sem que precisemos nos dedicar inteiramente a elas. Este site é um bom exemplo: apesar do retorno financeiro ser nulo ainda, com os anúncios aqui colocados, a cada clique que é dado neles, alguns centavos são depositados na minha “conta virtual”. Além disso, é uma coisa que adoro fazer e me traz muitos benefícios “interiores”. Outra opção seriam os investimentos, onde o dinheiro rende sozinho (não conheço muito sobre o assunto, mas é mais ou menos isso).

Temos que encontrar uma maneira de fazer o dinheiro trabalhar por nós e não nós trabalharmos feito loucos por ele. A vida vai passando e o tempo perdido é muito grande. Pense. Crie. Erre. Mas erre muito. Procure criar coisas que agregam valor. Entre uma tentativa e outra, uma dará certo. Quando conseguir 10 reais, pense em uma maneira de conseguir 25, 30, 100. A chave é tentar, tentar e tentar.
Em duas oportunidades pude ler sobre essa situação, e passo a vocês a seguir:
- No livro Pai Rico, Pai Pobre o autor descreve como que, desde criança, foi aprendendo maneiras de fazer o dinheiro trabalhar para ele;

- Esta semana, uma outra pessoa que escreve coisas bem legais, Steve Pavlina, postou um artigo que se chama Dez razões para nunca arrumar emprego (em inglês). Neste artigo, ele fala de forma bem humorada sobre 10 razões que o levam a não arrumar um emprego (para quem não sabe ele vive das receitas do site e outras fontes, sem ter emprego fixo).

O mundo é grande, as oportunidades são infinitas. Cabe a nós encontrá-las e aproveitá-las da melhor maneira possível. E de preferência rápido. Até lá seguimos na gaiola. Se alguém tiver a receita do bolo, me avise! ;)

9 comentários para “Viver mais, trabalhar menos”

  1. Beth Pikunas says:

    Eu passo e comento no seu, vc passa no meu e não comenta nada rs bom este texto, e já pensei muito sobre isso, mas ainda não encontrei a saída, e vc, já? Abraços.

  2. É verdade, estou te devendo mesmo. Para compensar, coloquei um link para o teu site aqui no blog.
    Tenho pensando bastante a esse respeito. Tenho algumas idéias, mas nada ainda muito concreto.

    Abração! ;)

  3. Serena says:

    OI…chorei muito ao ler este texto! realmente passamos a vida correndo atrás de dinheiro. Nos submetemos a empregos que são verdadeiros suplícios mentais. PQ? pq precisamos fazer o que todos fazem: ter um emprego sólido, dar segurança para família e o pior : obrigamos os nossos filhos a terem a mesma visão de vida:” vc precisa submeter-se ao sistema, empregado é assim mesmo, obedeça!!!!” começamos a aleijar os nossos filhos desde a “fase do não”…se um deles se revolta e não obedece, a família logo taxa: MARGINAL..viu o filho da fulana? não quer seguir as regras..não vai dar boa coisa…depois de vc cumprir todas as regras, chegar a aposentadoria(infame); vc percebe aturdido : “FUI UM IDIOTA, fui triturado pelo sistema e cuspido fora como um bagaço de cana espremido”…FAZER o que? escolhemos ser bonzinhos!!!!!

  4. Abdulah Khan says:

    Pô. Sempre pensei o mesmo que vc. A vida parece sem sentido justamente por que não vivemos. Nossos dias se esvaem entre afazeres desprazerosos, nossa força vai se consumindo e nossa alegria de viver as vezes se torna desespero. Parece loucura a forma como vivemos. Se a vida é finita e tão curta diante da imensidão do tempo por que a minamos dessa forma… Por que aceitamos viver assim? Sem calor, sem amor, num individualismo absurdo? Fazendo durante a maioria do tempo que temos aqui na terra o que não gostamos e fazemos por nos sentirmos obrigados e acuados? Sempre me questiono: Terei forças para mudar isso algum dia, enquanto ainda tenho tempo? Ler o que escreveram foi muito comovente para mim, obrigado. Um abraço a todos.

  5. Felipe says:

    Trabalhar nunca matou ninguém, mas porque arriscar.

  6. ROGERIO ANTONIEVICZ says:

    Trabalahr faz parte da vida mais tudo que e em exceso acaba com a pessoa, ha outras maneiras de se ganhar dinheiro, temos que pensar primeiramente em nossa familia pois o tempo passa muito rapido e vc nem viu seu filho crescer… ha coisas mais importantes na vida do que o dinheiro, e sim pessoas esperando vc chegar em casa com alegria de vc estar la sem stress e falar assim oi pai…oi mae… oi esposa..pense nisso vc nao pode mudar o passado e sim fazer um novo futuro…

  7. Catarine says:

    Bom dia!
    Hoje de manhã (06:15) saindo de casa p/ o trabalho com o meu marido, conversava indignada com ele exatamente sobre este assunto!
    Dizia: nós acordamos todos os dias antes das 6 da manhã, saimos na rua, no frio… entramos em um ônibus LOTADO, onde mal consigo mexer o pé… duas horas depois (DUAS HORAS DEPOIS) chego a empresa e fico lá, dentro da gaiola!
    Não consigo ver o sol, a chuva, os pássaros, a natureza, a vida!! Fico 9 horas do meu dia rodeada de pessoas estranhas, falsas, maquiavélicas!!!
    Em um dos momentos mais importantes do dia ( a hora do almoço) almoço com um estranho, quando não vou sozinha!

    Ao FINAL do dia… 18:00 / 18:30… quando já está escuro e todos os estabelecimentos já estão fechados, onde não posso mais fazer nada, resolver nenhum problema, ir ao médico com tranquilidade…. saio da gaiola e entro novamente no ônibus LOTADO….

    Neste momento, todas as minhas energias já foram COMPLETAMENTE consumidas no trabalho! Já fui pressionada, cobrada, HUMILHADA de todas as maneiras… não tenho mais cabeça pra nada!

    Mas duas horas depois, quando chego em casa… aí sim, tenho o “tempo” que tanto queria p/cuidar do meu marido, curtir a minha casa, a minha cama… as minhas coisinhas que compro com tanto carinho…. bom, mas esse tempo é muito curto…! Mal dou conta de fazer algo pra comer…. mal consigo suportar uma hora depois do banho p/ conversar com meu marido….. o cansaço não deixa!

    Mas e a minha vida? A minha casa? O meu marido? A minha família? O meu futuro filho? Os meus amigos?

    Que horas eu me dedico a estas coisas???
    Em qual dia da semana???

    Então eu não tenho o direito a viver a minha vida?!?!?!?! A cuidar se quer da minha saúde?!?!!

    Sim, porque se falto 1 dia no trabalho p/ ir no médico, ainda escuto do meu depato de RH que a empresa não é obrigada a abonar atestado medico!!

    Eu trabalho 9 horas por dia!!!

    A semana tem 7 dias e eu trabalho 5!!!

    E a hora do almoço!?

    60 minutos cravados, sem tolerância!!!

    Acontece que trabalho no 10° andar…. ao meio dia, o elevador para em todos os andares até chegar no térreo (só aí foram pelo ao menos 10 minutos)…. depois que tenho caminhar até o restaurante… pegar fila p/ me servir… depois fila p/ pagar…. depois a fila do elevador… e voltar correndo p/ bater o ponto, pq a cada minuto ultrapassado, será um desconto!!

    Somos ESCRAVOS!!! Totalmente escravos desse sistema capitalista nojento!!!

    Isso não é vida gente!!! Não é!!
    É lógico que o trabalho é necessário e faz bem até pra saúde… mas ele deveria ser dosado…..

    Deveria ser meio expediente para cuidarmos da nossa vida e meio expediente para nos dedicarmos ao trabalho!!!

    E o filho, que somos obrigados a deixar na escola com 4 meses de idade?!!?!?
    4 MESES DE IDADE!!!!

    A melhor fase da vida de um filho, não podemos curtir genuinamente!!!
    Quando ele ainda é bebê…. quando os dentinhos dele estão aparecendo… quando ele começa a sorrir…!

    Gente…. foi um desabafo, do tamanho da minha revolta!!!

  8. Bob says:

    Catarine. Eu tentei mas não consegui sentir pena de você. Você faz suas escolhas. Nesse caso, uma triste escolha. Xiu, não me venha com desculpas. São apenas desculpas.
    Ganha bastante dinheiro? Espero que pelo menos isso.

    Você não tem o poder de mudar sua vida inteira de uma vez, apenas pode mudar o seu próximo passo… ou não.

  9. Minna says:

    Bob

    Não acho que seja questão de ter “pena” ou não da vida que a Catarine escolheu, muito menos de julgá-la ou criticá-la, mas de constatar como somos todos uns alienados pelo capitalismo e pelo nosso próprio materialismo ! Pois a maioria das pessoas vive mais ou menos assim…infeliz no trabalho e por tabela infeliz com a vida pessoal (por falta de tempo, convivência com os seres amados, etc.).
    Enfim…temos que repensar mesmo o que estamos fazendo ou onde estamos nos metendo e sair desse círculo vicioso…
    Por isso entendi perfeitamente o desabafo da Caterine !
    E tb não estou criticando vc, Bob, pois vc tem razão tb no que diz !

    Boa sorte pra todos nós nessa vida !

Comente!